Menu de Navegação de Páginas

Conheça Treeker: Os Óculos Perdidos – um novo game de aventura em primeira pessoa !

O mundo indie brasileiro lançou outro jogo neste sábado, dia 11 de abril. A novidade é o Treeker: Os Óculos Perdidos – um game de aventura em primeira pessoa, com elementos de puzzle e plataforma.

O game da Blubox Soft é vendido com exclusividade no Splitplay, e curiosamente foi desenvolvido e idealizado por uma só pessoa.

Fernando Paulo, o criador de Treeker: Os Óculos Perdidos, é mais do que um especialista quando o assunto é game. Ele foi o responsável pela modelagem 3D, programação, game design, edição de efeitos sonoros, interface e tudo mais que o jogo precisou para ganhar vida. Esse é o seu primeiro projeto comercial. O foco era desenvolver algo com mecânicas e ideias pouco utilizadas atualmente, e que oferecesse desafio e exploração como principais elementos.

Como surgiu o jogo

Tudo começou por volta de 2012 quando Fernando decidiu fazer um game de aventura. Em 2014 tudo saiu do campo da imaginação para a realidade. A ideia inicial é que teria algum tipo de tesouro envolvido na história, e para isso o personagem principal deveria ser um aventureiro, ou melhor: caçador de tesouros. Criou uma atmosfera com um visual colorido, pra ficar lúdico, adotou um estilo gráfico poligonal, e pensou: tesouro, caçador, explorador, pirata, mar…era disso que precisava, de um ambiente com o mar, já que tesouros geralmente estão escondidos em ilhas ou locais distantes ou esquecidos.

treeker-os-oculos-perdidos Titan Games

Os óculos surgiram na história quando sentiu a necessidade de uma ferramenta para que o jogador pudesse ver coisas que não poderia enxergar normalmente. Para que o jogo não saísse do escopo, o criador optou pela jogabilidade em primeira pessoa, e os óculos se encaixaram perfeitamente nesse esquema, onde o gamer tem a impressão de que ele mesmo está com os óculos.

Os elementos de plataforma do Treeker foram inspirados pelos Jumping Puzzles do jogo Guild Wars 2. As placas que contam a história do jogo remetem a Dark Souls; contando a história através das descrições dos itens e apresentando um ar de mistério. A escolha das placas foi feita com objetivo de focar nos desafios e na exploração, e não forçar o jogador a assistir cutscenes ou ler textos longos.

Confira um teaser do jogo:

O game da Blubox Soft apresenta belas imagens e já está com uma campanha na web. A campanha do Steam Greenlight tem o intuito de reunir uma votação expressiva, e assim o game brasileiro passará a figurar na plataforma que é referência internacional de jogos para PC.

Informações técnicas

Durante vários períodos da história, importantes aventureiros e piratas parecem encontrar um par de óculos misteriosos, e logo após, coisas estranhas acontecem com eles. As evidências apontam que esses óculos são os mesmos que aparecem através de séculos, mas assim como eles surgem, subitamente eles somem dos registros. Estando certo de que os óculos são reais, vá em busca desse tesouro para descobrir o que ele realmente faz.

Requisitos do Sistema:
Processador: Dual Core 2.0 GHz
Memória RAM: 2GB
Espaço Disponível no HD: 240MB
Placa de Som: Onboard
Placa de vídeo: GeForce 9500 GT
Sistema Operacional: Windows 7

Requisitos Recomendados:
Processador: Dual Core 2.6 GHz
Memória RAM: 4GB
Espaço Disponível no HD: 240MB
Placa de Som: Onboard
Placa de vídeo: GeForce GTS 250
Sistema Operacional: Windows 7
Plataforma: PC Game

O estudio
A Blubox Soft por enquanto é um estúdio informal, pra atribuição da propriedade intelectual, que criei no final do desenvolvimento do Treeker.Pros projetos futuros envolvendo a Blubox Soft, posso dizer que fantasia e magia são dois elementos que estarão bem presentes nos jogos.

O Splitplay

O Splitplay é uma startup brasileira criada por alunos da PUC que passou por programas do governo como SEED, Startup-Chile e Startup-Rio. É a primeira plataforma para vendas e distribuição internacional de jogos indies feitos na América Latina. É um ponto de encontro para fãs e mídia especializada, pois o site é um HUB local para encontrar os jogos que estão sendo criados. Seus fundadores são: Rodrigo Coelho (26 anos) – Game Designer, Eric Salama (24 anos) – Designer de UX e Henrique Bejgel (21 anos) – Desenvolvedor.

TG

Zêr Arnaldo

Atua na área de Geoprocessamento, é editor do Titan Games. Foi curador da área games da Campus Party, adora quadrinhos, fotografia, astronomia, sonhador como Julio Verne, fan do bom e velho rock ‘n roll. Sua meta é conhecer os quatro cantos do mundo, ou quem sabe ir para o alto, e para o infinito ! 🙂

Leia também:

Deixe o seu comentário, crítica ou sugestão !